Artigos e reflexões › 11/10/2016

VIVA A MÃE DE DEUS E NOSSA!

14656326_1093857450699479_1239975475299170031_n“Mãe do terceiro mundo, mãe de todos os homens; todos são filhos teus, porque és Mãe de Deus” (D. Pedro Casaldáliga).
O povo brasileiro, povo religioso e cheio de fé, celebra festivamente a festa de Nossa Senhora Aparecida e festeja com singular confiança a sua proteção materna para com este povo devoto. Antes de qualquer coisa é preciso lembrar que o título de “Nossa Senhora” é um modo carinhoso tipicamente brasileiro de se referir à Virgem Maria, a serva fiel que gerou para toda a humanidade o Salvador, Jesus Cristo. Desde o início do Cristianismo Maria recebe do povo cristão um carinho particular, ela é a “cheia de graça” (cf. Lc 1,26-28), a “Mãe do Senhor” (cf. Lc 1,43), é uma pessoa humana, que não se gaba de suas virtudes, mas sim reconhece a Deus como o seu Senhor (cf. Lc 2, 46-56) e ensina aos filhos e filhas de Deus a obedecer ao Filho unigênito de Deus, Jesus Cristo e a fazer tudo quanto ele nos diz (Jo 2,1-11). Assim, de geração em geração o povo de Deus canta as maravilhas que Ele opera em favor de seus filhos que esperam e confiam em seu amor. E quando o culto cristão exalta a figura de Maria, nossa Senhora e nossa Mãe, jamais se esquece que ela “não é deusa nem mais do que Deus, mas depois de Jesus, o Senhor, neste mundo ninguém foi maior”! A devoção do povo nasce do respeito profundo para com a Virgem Maria, mulher simples, do meio do povo, uma jovem de fé e repleta de esperança. Em Maria os filhos e filhas de Deus se identificam em sua jornada de esperança e luta. Maria ensina aos discípulos de Jesus que é necessário obedecer ao que Ele diz se desejarmos viver a felicidade que não é migalha que sobra do bolso dos poderosos e sim abundância de graça que Deus derrama sobre seus filhos e filhas. O povo simples chama Maria de nossa Mãe, a invoca em suas aflições, em suas dores se consola com o afeto maternal e sente solidariedade de Maria com os sofrimentos nossos, nós os “irmãos” de Jesus (Jo 19,25-27). “Nossa Senhora”! Palavras que, quase instintivamente vêm aos lábios nossos quando algo nos surpreende. E mesmo quando inesperada notícia boa nos é dada, bradamos “Nossa Senhora”! Fato interessante ocorreu em 1717, no Rio Paraíba, quando o Conde de Assumar visitaria a região onde está o município de Aparecida e a população quis fazer uma grande homenagem ao ilustre visitante. O produto daquela região era o peixe, mas naquela ocasião não havia peixes para tamanha solenidade. E os coitados pescadores, conhecedores da natureza, nem puderam contestar as ordens recebidas. Voltam ao ofício, jogam as redes, se esgotam e nada de peixes. De repente, surge a cabeça de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição; em seguida resgatam o corpo daquela imagem e se não bastasse a surpresa, o mais prodigioso acontecimento se deu: pescaram peixes em tamanha quantidade como nunca antes se havia visto. Uma intervenção interessante, um milagre de Deus com a intercessão materna de Maria, a Mãe dos filhos de Deus.
Desse fato até aos nossos dias muito se tem visto da intercessão materna da Mãe de Deus e nossa em terras brasileiras. Quem intercede em nosso favor é Maria, aquela que cuidou do Menino-Deus, que embalou seu sono, que lhe ensinou os primeiros passos, curou seus esfolados de menino cheio de energia. Maria intercede e pede e roga por nós agora e na hora de nossa morte. Rezamos a Maria, e as suas imagens espelhadas por todo esse Brasil são lembranças carinhosas de alguém que viveu a fé e ainda hoje reza por nós junto a Jesus. Todos os anos vou a Aparecida. Lá contemplo na imagem da Padroeira do Brasil, a imagem da misericórdia divina que por meio de Maria nos veio visitar; contemplo minha mãe e tantas mães de nossa comunidade e do mundo com suas dores, esperança e com aquela fé límpida como os raios do sol. Em Aparecida aprendo com o povo simples a teologia dos joelhos dobrados, do coração caloroso de amor e ardoroso de solidariedade. Em Aparecida peço a bênção para Nossa Senhora, peço às mães que lá encontro que também me abençoem como eu pedia à minha mãe. E meu coração de filho, de peregrino e de padre fica reconfortado. Não somos órfãos, temos Pai e temos Mãe que nos protegem, nos amam e nos querem felizes.
Em Aparecida aprendemos a devoção que derruba as idolatrias dos nossos dias, o egoísmo, a avareza, o orgulho, a falta de caridade, o apego ao dinheiro e o desrespeito à vida e à família. De Maria aprendemos a ser os discípulos de Jesus quando também aceitamos que se “faça em nós o que é do agrado de Deus” (Lc 1,38). (Em parceria com o Pe. João Paulo Ferreira Ielo, Pároco da Paróquia Imaculada Conceição de Mogi Guaçu (SP) Pe. Gilberto Kasper , Mestre em Teologia Moral, Licenciado em Filosofia e Pedagogia, Especialista em Bioética, Ética e Cidadania, Professor Universitário, Docente na Associação Faculdade de Ribeirão Preto do Grupo Educacional da UNIESP, Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico, Assessor da Pastoral da Comunicação e Reitor da Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres da Arquidiocese de Ribeirão Preto e Jornalista.

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *