Ano Ímpar › 11/04/2017

Terça feira da Semana Santa

terçaAmados irmãos e irmãs
Um de vós me há de trair!
Às vezes fico a pensar o quanto esta pergunta é atual. Jesus não está perguntando, Ele está afirmando a cada um de nós. Nossa traição hoje não é a venda de Jesus por trinta moedas, mas sim quando negamos nosso batismo ao não reconhecer Jesus como único Senhor de nossas vidas.
Traímos Jesus quando nos omitimos na luta pela paz e por justiça social. Traímos Jesus quando nos calamos diante de campanhas abortistas ou que defendem a eutanásia. Traímos Jesus quando não lutamos contra aqueles que querem a pena de morte.
Pedro prometeu dar a vida por Jesus e Jesus concordou, mas disse que antes ele o negaria. Conosco não é diferente às vezes damos nossa vida a Jesus em uma vida consagrada ou no sacerdócio ministerial, mas negamos Jesus em alguns pontos.
Mas porque estas negações e traições acontecem com tanta frequência? Talvez seja porque assim como Judas nós às vezes não entendemos o projeto de Jesus.
Às vezes nós, assim como Judas, não estamos dispostos a seguir um Messias pobre, manso, amigo dos excluídos e marginalizados, anunciador de um Reino de paz e justiça. Isto porque da forma como o mundo nos trata as vezes queremos responder com as mesmas armas do mundo, ou seja, de forma agressiva e isto não faz parte do plano de Deus para nossas vidas.
São Francisco de Sales bispo e doutor da Igreja nos ensina em suas
Obras Completas, vol. 10: “ São Pedro, Apóstolo, foi muito injusto para com o seu Senhor porque O negou, jurando que não O conhecia e, não contente com isso, foi maldizente e blasfemo, asseverando não saber Quem Ele era (Mt 26,69 ss). Este incidente magistral partiu o coração de Nosso Senhor. Que fazeis e que dizeis vós, pobre São Pedro? Não sabeis quem Ele é, não O conheceis?, vós que fostes chamado pela Sua própria boca ao Apostolado e que haveis confessado ser Ele o Filho do Deus vivo? (Mt 16,16) Ah, homem miserável, como ousais dizer que não O conheceis? Não foi Ele Quem vos lavou outrora os pés (Jo 13,6), Ele Quem vos alimentou com o Seu Corpo e o Seu Sangue? Portanto, que ninguém presuma das suas boas obras e pense não ter nada a temer, uma vez que São Pedro, que tantas graças recebeu, que prometeu acompanhar Nosso Senhor até à prisão e até à morte, se prontificou a negá-lo ao mais pequeno reparo duma criada.
Isaías profetiza: “Não basta que sejas meu servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os fugitivos de Israel; vou fazer de ti a luz das nações, para propagar minha salvação até os confins do mundo”. Isto quer dizer que Deus não quer de nós apenas para resgatar os desviados da Igreja, mas principalmente para que com nosso testemunho sejamos luz para aqueles que ainda não conhecem o Senhor.
Rezemos com o Salmista: Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, em vós confio desde a minha juventude! Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, desde o seio maternal, o meu amparo. Minha boca anunciará todos os dias vossa justiça e vossas graças incontáveis. Vós me ensinastes desde a minha juventude e até hoje canto as vossas maravilhas. Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Isaías 49,1-6
Salmo: 71
Evangelho: João 13,21-33.36-38

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *