Ano Ímpar › 08/05/2017

Segunda Feira – 4ª. Semana da Páscoa

segundaAmados irmãos e irmãs
Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa. Pois ele é apenas um mercenário que não se importa com as ovelhas.
Uma das primeiras pinturas cristãs, de que se tem notícia, e que se encontra numa catacumba romana, representa Jesus como o Pastor que carrega sobre seus ombros a ovelha sã e salva. A imagem expressa uma segurança e é garantia de uma alegria que nada, nem as perseguições, nem as maiores calamidades podem afetar.
A Igreja primitiva professou que Jesus era o Bom Pastor, a pedra rejeitada sobre a qual devemos apoiar, pois do contrário estaremos pregando doutrina dos homens e não de Deus e aí seremos mercenários e exploradores.
Em seu sermão sobre os pastores S Agostinho diz: “… pastores que apascentam a si mesmo, não às ovelhas: ‘Eis que bebeis o leite e vos cobris com a lã; matais as mais gordas e não apascentais minhas ovelhas”.
Tem pastor que só gosta de ovelha gorda, bonita e saudável e não aceita ou expulsa as feias, as machucadas e as que dão trabalho. Imaginem uma Igreja com ovelhas saradas e de bolso cheio…
O evangelho aprofunda as características do pastoreio na Igreja de Cristo. Seu modelo é o Bom Pastor, que está sempre vigilante aos perigos e ataques do inimigo ao rebanho. Na atualidade, os lobos manifestam-se de muitas e sofisticadas formas. Empunhando as bandeiras do individualismo, consumismo, lucro fácil, prazer imediato e sem limites… O Bom Pastor dá a vida por suas ovelhas. Ele as defende, as conhece e vai atrás daquela que ainda não pertence ao seu rebanho.
Quanto a ovelha que se desgarrou e foi resgatada é preciso entender que aquele a quem Deus perdoou já não deve ser chamado de pecador; a não ser eu volte a pecar. O cristianismo é contra o princípio mundano de que não existe ex. Muitos de duro coração saem por aí a dizer eu não existe ex-prostituta; ex – ladrão; ex – dependente químico; etc. Nós cristãos cremos piamente que pela graça e misericórdia de Deus, muitos foram resgatados e são sim ex, pois não voltaram a vida do homem velho.
A figura do Bom Pastor diz respeito a todos os cristãos que querem ser discípulos de Jesus Cristo. Quem tem um coração de verdadeiro pastor não fica fazendo contas de onde chegam seus direitos ou onde terminam suas obrigações. Ele segue uma única lei: O amor. Tentemos perguntar-nos: Quais os sinais de que estamos seguindo o Bom Pastor? Nossas atitudes em relação a Deus e aos irmãos são próprias dos mercenários ou dos pastores? Quais as motivações e interesses de quem é pastor ou dedica parte de sua vida à pastoral?
Neste Evangelho vemos que para não ser como o ladrão e salteador, como batizados devemos cumprir nossas obrigações, nossos deveres como cuidar de nossa casa, nossa família, saúde, do lazer e do descanso; porém devemos ir além e em comunhão como Pai e o Filho na ação do Espírito Santo amar gratuitamente de forma desinteressada. Encontrar tempo para sair de si e encontrar o outro que necessita. É preciso que sejamos um bom pastor na vida dos mais pobres e necessitados que são as ovelhas feridas e preferidas de Jesus o Bom Pastor.
No livro dos Atos vemos Pedro dizer: “Pois, se Deus lhes deu a mesma graça que a nós que cremos no Senhor Jesus Cristo, com que direito me oporia eu a Deus”? Isto para nós nos dias de hoje soa como que uma advertência pelas vezes em que queremos que o Espírito Santo atue somente para aqueles que estão em nossas comunidades. Precisamos entender e aceitar que o Espírito age onde, como e quando quer. Ele não é refém de nossos caprichos ou algo em que podemos adquirir direitos de exclusividade. Nós não somos exclusivos de um Rebanho de qualidade superior a todos os demais, os “queridinhos e prediletos” de Deus.
Rezemos com o Salmista: Assim como a corça suspira pelas águas correntes, suspira igualmente minha alma por vós ó meu Deus! Enviai vossa luz, vossa verdade: elas serão o meu guia; que me levem ao vosso monte santo, até a vossa morada! Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Atos 11,1-18
Salmo: 42
Evangelho: João 10,10-18

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *