História dos Santos › 19/04/2018

SANTO EXPEDITO

18034169_1290541821031040_2749412068000938480_nAlguns acham que Santo Expedito não existiu. Na verdade existiu, mas teria outro nome. Um santo foi martirizado e morto em Roma, e após seus seguidores coloca-lo em um caixão resolveram despacha-lo para um Mosteiro na Espanha onde teria um enterro mais condizente e seguro, e assim um caixão contendo o corpo do santo foi despachado com urgência e com o nome “spedito” escrito, do lado de fora, significando “urgência” no despacho. Mas aqueles que receberam o caixão, confundiram o nome como sendo o nome do mártir (Expedito é um nome muito comum na Espanha) e com grande vigor e energia propagaram o seu culto como sendo o santo das causas expeditas ou seja das causas urgentes.
Já havia na antiga Alemanha, por volta do século 18, a existência de uma devoção ao Santo Expedito como sendo o santo das causas urgentes é tão antiga quanto em 1781 onde já era invocado como padroeiro da cidade de Acireale na Sicília. Na Espanha ele tem muitos devotos e varias capelas dedicadas a ele em especial principalmente na Catalunha.
Sua festa é celebrada no dia 19 de abril
Cumpre observar que existe outra versão também aceita por muitos que diz que Santo Expedito teria sido soldado junto com Hermógenes e Caio, possivelmente no principio do século IV e que foi martirizado como nos indica a palma – a palma do laurel do martírio-que segura na mão esquerda, e teria sofrido o martírio na cidade de Metilene, situada na republica Armênia região conhecida com Capadócia. Segundo esta versão a origem do nome
é porque os soldados romanos de ataque rápido-tipo os comandos de hoje- tinham armas leves e pouca armadura-e eram chamados ” expeditus”.
O motivo do seu martírio foi porque ele não quis render culto aos deuses pagãos e o próprio imperador Diocleciano foi quem ordenou o seu martírio para que cedesse. Em alguns livros de santos se narra os martírio que sofreu junto com outros soldados para renunciar a sua fé cristã.
Os atos dos martírios na época narram o martírio com grandes prensas de madeira que esmagavam os ossos dos joelhos e pés, a roda que esticava o corpo até arrancar os braços e finalmente queimaduras com óleos e brasas, até a morte. Assim só não cedia quem tivesse a fé de um santo, o que foi o caso de Santo Expedito.

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *