Ano Ímpar › 10/06/2017

Sábado – 9ª. Semana Comum

18920601_1341218829296672_3342824520850814793_nAmados irmãos e irmãs
No Evangelho vale destacar que se dermos ao Senhor somente o que sobra é porque demos aquilo que não estamos precisando; ou o que damos está nos atrapalhando.
Como vivemos de doação aqui na comunidade temos situações em que recebemos telefonemas para buscar doação de móveis e quando lá chegamos percebemos que na verdade aquela pessoa não queria nos doar, mas sim queria se livrar de ter que pagar carreto para o lixão.
Notem que as duas moedinhas não foram dadas de esmola, mas era uma oferta dentro de uma celebração e cremos ser este um excelente momento de nós cristãos buscarmos entender a diferença entre oferta, dizimo e esmola.
Outro detalhe a destacar é o contraste entre a ostentação e a pobreza. O Templo caracterizava-se por seu imenso luxo e riqueza, com suas muralhas de pedra, seus pátios com arcadas e a grande construção central, decorada com placas e florões de ouro maciço. Pelo Templo circulavam os escribas e os sacerdotes, com roupas ostentando prestígio, e os ricos que faziam suas ostensivas ofertas. Com tudo isto os pobres se sentiam diminuídos. Ainda hoje muitos tentam ligar a riqueza material (prosperidade) como sinal de benção e aí vem Jesus e adota os pobres como opção preferencial.
Em relação ao que damos a Deus também é importante destacar a questão do tempo; pois é muito importante. Quando a Igreja precisa de alguém para um trabalho pastoral a primeira desculpa que ouvimos é que não tem tempo ou dizem: Se tiver um tempinho…
O Bem-aventurado Charles de Foucauld, eremita e missionário no nas Meditações sobre as passagens dos santos evangelhos relativos a quinze virtudes, nº 69 nos ensina que Deus não associou a salvação à ciência, à inteligência, à riqueza, a uma longa experiência, a dons raros que nem todos receberam. Ligou-a aquilo que está ao alcance de todos, de absolutamente todos, dos jovens e dos velhos, dos seres humanos de todas as idades e classes, com todo o tipo de inteligência e fortuna. Associou-a aquilo que todos, absolutamente todos, Lhe podem dar, àquilo que todo o ser humano, seja quem for lhe pode dar, bastando que tenha um pouco de boa vontade: um pouco de boa vontade é tudo o que é preciso para ganhar esse céu que Jesus liga à humildade, ao fato de nos fazermos pequenos, de tomarmos o último lugar, de obedecermos; que liga ainda à pobreza de espírito, à pureza de coração, ao amor da justiça, ao espírito da paz, etc. (Mt 5,3ss). Tenhamos esperança, uma vez que através da misericórdia de Deus a salvação está tão próxima de nós, que nos basta apenas um pouco de boa vontade para obtê-la.
No livro de Tobias vemos que o velho Tobit querendo agradecer Rafael oferece lhe metade do que tinha recebido e então Rafael revela quem é, ou seja um dos sete que apresentam a Deus a oração dos justos e vai então revelando a Tobit que sempre esteve com ele; pois era um homem atento aos necessitados e tinha um coração generoso. Praticava a caridade, a esmola que salva da morte, até ao risco de ver derramado o seu sangue. Ele já praticava as obras de misericórdia em especial a de enterrar os mortos, o anjo garante a ele e a nós hoje: Melhor é dar esmolas do que acumular tesouros.
Rezemos com o Salmista: Compreendei o que fez para nós, dai-lhe graças, com todo o respeito! Vossas obras celebrem a Deus e exaltem o Rei sempiterno! Eu desejo, de toda a minha alma alegrar-me em Deus, Rei dos céus. Bendizei o Senhor, seus eleitos, fazei festa e alegres louvai-o! Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Tb 12,1.5-15.20
Salmo: Tb 13,2. 6.7.8
Evangelho: Mc 12,38-44

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *