Ano Ímpar › 01/07/2017

Sábado – 12ª. Semana Comum

Amados irmãos e irmãs19554728_1364599410291947_8361696102810402602_n
“Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha casa. Dizei uma só palavra e meu servo será curado”.
Toda vez que ouço este Evangelho me lembro de que um dia em nossa comunidade onde acolhemos moradores de rua,após a santa missa pedi que um dos acolhidos me ajudasse a guardar o material litúrgico e lhe entreguei o missal e o lecionário e ele me seguiu até a capela do Santíssimo onde após guardar o material que conduzia percebie que ele havia ficado do lado de fora da capela;então lhe pedi que entrasse e ele me disse que não poderia entrar. Surpreso lhe indaguei o porquê e sua resposta me surpreendeu ainda mais;pois ele disse: “ não sou digno de entrar neste lugar”. confesso que fiquei envergonhado e respondi: Se tu não podes entrar aqui então tenho que sair o mais rápido possível daqui de dentro. Isto porque ele que nada sabia de liturgia ou outros detalhes demonstrava mais humildade e respeito do que eu que já estava fazendo tudo no automático.
O centurião demonstrou mais respeito e admiração pelo mestre do que aqueles que o seguiam e conviviam com ele.
Jesus mostra com sua atitude a universalidade da salvação e a eficácia de sua palavra.
Em relação a cura da sogra de Pedro vale destacar que após ser curada ele passou a servir e assim fica para todos nós que Jesus nos cura para que possamos nos colocar a disposição daqueles que necessitam de nós. A cura não é para que nós nos vangloriemos diante dos outros como preferidos de Jesus, mas sim para nos tornamos servos uns dos outros.
Por fim em relação aos possessos de demônios a Palavra nos diz que Jesus curou a todos e mais uma vez vemos aqui a universalidade da salvação;ela é para todos.
Jesus não tomou sobre si as dores dos cristãos mas sim de toda humanidade e no altar ele se oferece como alimento não somente para um grupo de privilegiados;mas Ele se oferece a todos que querem do seu Corpo e Sangue se alimentar.
No livro do Gênesis vemos uma passagem sobre a qual exegetas se debruçam e ali veem a prefiguração da Trindade; ou seja , o próprio Deus vem falar com Abraão e este não lhes vê o rosto. Diz a passagem: “ Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e prostrou-se por terra.
“Meus senhores, disse ele, se encontrei graça diante de vossos olhos, não passeis avante sem vos deterdes em casa de vosso servo”.
Rezemos com o Salmista: A minha alma engrandece ao Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu salvador. Seu amor, de geração em geração, chega a todos os que o respeitam. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos. Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais, em favor de Abraão e de seus filhos para sempre.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Gênesis 18,1-15 
Salmo: Lc 1 
Evangelho: Mateus 8,5-17

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *