Ano Ímpar › 03/08/2019

Reflexão – Sábado da 17ª Semana comum Ano Impar 03/08/2019

Amados irmãos e irmãs
Ninguém prejudique o seu próximo. Teme o teu Deus. Eu sou o Senhor, vosso Deus.
Quem são os Herodes de hoje que também gostam de ouvir a Palavra de Deus, chegam a se empolgar com ela, mas quando essa Palavra exige uma mudança de mentalidade e de postura, no campo da ética e da moral, aí a menosprezam, pois não admitem.
São capazes de matar para calar a voz daqueles que denunciam injustiças.
Da liturgia bizantina (Tropário e katisma) do ofício de matinas de 29/08 encontramos o seguinte texto que se refere a João Batista: A memória do justo será abençoada (Prov 10,7), mas a ti, Precursor, basta-te o testemunho do Senhor. Em verdade, mostraste ser o maior de todos os profetas (Mt 11,9); por isso foste digno de batizar na água Aquele que eles anunciaram. E, tendo lutado na Terra pela verdade, cheio de alegria, anunciaste, já na morada dos mortos, o Deus que se manifestou na carne, que tira o pecado do mundo (ITm 3,16; Jo 1,29) e que nos concede a graça da salvação.
Por vontade de Deus, nasceste de uma mulher estéril, desprendeste a língua de teu pai (Lc 1, 7.64), mostraste o Sol que te iluminou, a ti, estrela da manhã. No deserto, pregaste às multidões o Criador, o cordeiro que tira o pecado do mundo. Com teu zelo repreendeste o rei e decapitaram-te a gloriosa cabeça, a ti, ilustre Precursor, verdadeiramente digno dos nossos cantos. Intercede junto de Cristo, nosso Deus, para que Ele conceda o perdão dos pecados aos que festejam de coração pleno a tua sagrada memória. João e Jesus têm em comum a morte injusta e isto porque ambos foram fiéis ao projeto do Pai e se olharmos bem podemos enxergar no dia a dia que semelhanças que possam ocorrer conosco na nossa missão pode ser o sinal mais claro de que estamos no caminho certo.
No livro do levítico vemos que Deus transmite ao povo orientações relativas ao jubileu dos cinquenta anos quando então se deve santificar o ano e publicar a liberdade na terra para todos os seus habitantes. Que todos os oprimidos possam ser libertados e voltar suas terras e para a suas famílias.

Rezemos com o Salmista
: Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, que todas as nações vos glorifiquem. Que Deus nos dê a sua graça e sua benção, e sua face resplandeça sobre nós! Que na terra se conheça o seu caminho e a sua salvação por entre povos. Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe, e o respeitem os confins de toda a terra!

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Levítico 25,1.8-17
Salmo: 66/67
Evangelho: Mateus 14,1-12

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *