Highslide for Wordpress Plugin
Ano Ímpar › 25/09/2019

Reflexão: Quarta – Feira 25ª Semana Comum – Ano Impar 25/09/2019


Amados irmãos e irmãs
“Não leveis coisa alguma para o caminho, nem bordão, nem mochila, nem pão, nem dinheiro, nem tenhais duas túnicas”.
O Evangelho de hoje vem nos ensinar que mais do que nunca precisamos valorizar o anúncio da Palavra; os discípulos foram enviados para anunciar a Palavra e esta é a missão primária da Igreja em todos os tempos; portanto uma Igreja que não anuncia; que não é missionária com certeza não é a Igreja de Jesus Cristo.
Infelizmente por vezes encontramos comunidades muito preocupadas com o devocionismo onde tudo se sabe sobre o santo e nada sobre Jesus; onde se fazem mil e uma novena, mas não gostam de participar da missa; onde a adoração ao Santíssimo passa a ser mais importante que a Celebração Eucarística.
Em outras comunidades as quermesses festa e bingos ocupam o lugar principal onde todos consomem seus dias; mas sequer sobra uma hora para anunciar a palavra.
O poder e a autoridade deles são o poder e a autoridade que eles recebem do Senhor. É participação no poder de Jesus Cristo. Trata-se, aqui, do poder do Espírito Santo, que é uma “força do alto” para o testemunho (cf. At 1,8). Ainda hoje é este mesmo poder e esta mesma força que recebemos para anunciar a Boa Nova do reino.
O que tornará nosso anúncio digno de confiança por parte daqueles que ouvirem? A resposta é simples: O nosso testemunho é que fará com que as pessoas creiam no que anunciamos. É preciso ter a mesma coerência de Jesus.
Outro detalhe que não pode passar despercebido é que Jesus os avisou de que a mensagem cristã poderia não ser aceita por todos, a exemplo do próprio Mestre, rejeitado em sua pátria e aí fica um ensinamento para aqueles que hoje desanimam ou querem brigar com os que não aceitam Jesus. Ele já nos alertou de que muitos não aceitariam sua mensagem e não nos aceitaria.
Os apóstolos continuaram a missão de Jesus e nós continuamos a missão dos apóstolos, ou seja, a de Jesus.
São Francisco Xavier, missionário jesuíta, nas Cartas 4 e 5 a Santo Inácio de Loyola nos diz: Viemos por povoações de cristãos. Quando chegava a estas povoações, batizava todas as crianças por batizar. Ao entrar nos povoados, as crianças não me deixavam rezar o Ofício divino, nem comer, nem dormir, e só queriam que lhes ensinasse algumas orações. Comecei então, a saber porque é deles o Reino dos Céus (Mc 10,14). Como seria ímpio negar-me a pedido tão santo, comecei pela confissão do Pai, do Filho e do Espírito Santo, pelo Credo, Pai-Nosso, Ave-maria, e assim os fui ensinando. Descobri neles grande inteligência; se houvesse quem os instruísse na fé, tenho por certo que seriam bons cristãos.
Muitos deixam de se fazer cristãos nestas terras por não haver quem se ocupe de tão santas obras. Muitas vezes me vem ao pensamento ir aos colégios da Europa, levantando a voz como homem que perdeu o juízo, e principalmente à Universidade de Paris, falando na Sorbonne aos que têm mais letras que vontade para se disporem a frutificar com elas. Quantas almas deixam de ir à glória e vão ao inferno por negligência deles!
E, se assim como vão estudando as letras, estudassem a conta que Deus Nosso Senhor lhes pedirá delas, e do talento que lhes deu, muitos se moveriam a procurar, por meio dos Exercícios Espirituais, conhecer e sentir dentro de suas almas a Vontade divina, conformando-se mais com ela do que com suas próprias afeições, e dizendo: Senhor, eis-me aqui, que quereis que eu faça? (At 9,10). Mandai-me para onde quiserdes e, se for preciso, até mesmo para a Índia.
No livro de Esdras vemos o lamento pela infidelidade a Deus e ao mesmo tempo o agradecimento por Deus não tê-los abandonado, permitindo que subsistisse um resto, fazendo com que reis estrangeiros se afeiçoassem a eles e lhes desse abrigo e em especial reconstruíssem o templo.

Rezemos com o Salmista: Bendito seja Deus que vive eternamente! Vós que sois de Israel, dai-lhe graças e por entre as nações celebrai-o! O Senhor dispersou-vos na terra para narrardes sua glória entre os povos e faze-los saber, para sempre, que não há outro Deus além dele. Bendizei o Senhor, seus eleitos, fazei festa e alegres louvai-o! Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Esdras 9,5-9
Salmo: Tb 13
Evangelho: Lucas 9,1-6

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *