Ano Par › 03/11/2016

Quinta Feira – 31ª. Semana Comum

14915125_1114146205337270_1720047304370593645_nAmados irmãos e irmãs
Um pecador que retorna a casa do pai é muito mais motivo de júbilo do que todos nós que lá estamos todos os dias.
Quem de vós que, tendo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la?
É como uma mãe ou pai que tendo vários filhos e percebendo que um deles está desviando do bom caminho , eles quase que esquecem todos os outros e voltam a sua atenção para aquele que está dando trabalho. O que Jesus quer nos ensinar é que precisamos largar as ovelhas que estão no redil( na Igreja ) e ir buscar as que estão perdidas.
Quem são as ovelhas perdidas dos tempos atuais? Sem medo de errar podemos dizer que são os usuários de entorpecentes,as prostitutas,os presidiários,etc.
É isso mesmo precisamos sair do casulo, da comodidade do interior da Igreja prédio e ir para a Igreja rua para resgatar justamente estas ovelhas perdidas. Sem dúvida alguma seremos muito criticados, mas repetimos aqui que não podemos exigir que a prostituta ou o drogado se torne santo para depois vir para a Igreja , pois ele tem que vir e entrar na Igreja com toda a imundicie de seu pecado para aqui se lavar e se purificar. Lembre se que Jesus comia com os pecadores e não com os ex-pecadores. Fazendo eco as palavras do nosso papa Francisco: “Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças”. N. 49 da EG.
Pela leitura da carta aos filipenses quantos cristãos não poderiam fazer como Paulo e dizer você tem faculdade eu também, você é batizado e crismado eu também sou, você é mestre ou doutor eu também sou e tudo isso é glória humana, é vantagem que consideramos perda por Cristo, desprezo tudo isto como esterco a fim e ganhar Cristo. Talvez os moradores de rua, as prostitutas, drogados e os pobres em geral não tenham tantos títulos na Igreja como nós, mas isto não deve ser motivo de vanglória para nós e sim vergonha se com todos estes títulos não estivermos fazendo nada por eles.
Rezemos com o salmista:Lembrai as maravilhas que ele fez, seus prodígios e as palavras de seus lábios! Exulte o coração dos que buscam o Senhor!

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

Leitura: Filipenses 3,3-8
Salmo: 105
Evangelho: Lucas 15,1-10

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *