Ano Ímpar › 29/06/2017

Quinta Feira – 12ª. Semana Comum

Amados irmãos e irmãs19511058_1362271957191359_6631725720855036232_n
“Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”.
Ao ouvirmos a Palavra devemos ter em mente de que Deus não quer aplausos, elogios ou arrebatamentos, mas quer abertura e disponibilidade para coloca-la em prática, esta é a resposta que devemos dar.
As tempestades, ventanias e enchentes das qual Jesus nos fala são as dificuldades que enfrentamos nesta vida e se nossa fé for infantil por medo, algo mágico, onde tudo depende só de Deus, na primeira oportunidade que Ele não nos atender do jeito que queremos tudo desmorona.
Mas quando temos uma fé firme e madura, vivida no encanto do anúncio de Jesus e na realidade as contrariedades da vida, não irá nos derrubar, mas sim fortalecer a nossa caminhada.
Santo Agostinho bispo e doutor da Igreja em seu Sermão 179, 8-9; PL 38, 970 nos ensina: “Não tenhais ilusões, irmãos, se viestes com zelo ouvir a palavra sem intenção de pordes em prática o que ouvis. Pensai bem nisto: se é bom ouvir a palavra, melhor ainda é pô-la em prática. Se não a ouvires, se não fizeres o que ouviste, nada edificas. Se a ouve e não a põe em prática, o que edificas é uma ruína. Todo aquele que ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como o homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha: ouvir e pôr em prática é edificar sobre a rocha.
Haverá quem diga: Para quê ouvir, então? Pois se ouvir sem pôr em prática edificará uma ruína, não será melhor não ouvir? A chuva, os ventos, as torrentes são constantes neste mundo. É, pois com medo de que eles surjam e te derrubem que não edificas? Se te obstinares a nada ouvir, nenhum abrigo terá: virão a chuva, as torrentes precipitar-se-ão – e tu, estarás em segurança? Portanto, reflete bem: é mau não ouvires, e é mal ouvires sem agir, pois há que ouvir e pôr em prática. Sede pessoas que põem em prática a Palavra, não vos contenteis em ouvi-la; isso será enganardes-vos.
A propósito do que ensina Santo Agostinho lembramos que o próprio Cristo nos ensinou que para permanecer n’Ele é preciso comer sua carne e beber seu sangue; ora se para colocarmos em prática o que ouvimos é preciso estar(permanecer) em Cristo somente a Eucaristia como verdadeiro alimento é o que nos sustentará e nos fará construir sobre a Rocha que é Cristo Jesus.
Na leitura do livro do Gênesis podemos tirar um precioso ensinamento, ou seja, quantas e quantas vezes pedimos algo ao Senhor e por não termos paciência logo arrumamos um plano “b” e julgamos ser aquela a forma que Deus queria. Deus havia prometido descendência a Abraão, mas por sugestão de Sarai encontraram uma forma de “ajudar” Deus. Costumamos dizer que é um perigo quando queremos ajudar Deus; pois nosso entendimento é limitado e às vezes na verdade acabamos atrapalhando ao invés de ajudar.
Rezemos com o Salmista: Daí graças ao Senhor, porque ele é bom,
Felizes os que guardam seus preceitos e praticam a justiça em todo o tempo! Lembrai-vos, ó Senhor, de mim lembrai-vos, pelo amor que demonstrais ao vosso povo! Visitai-me com a vossa salvação, para que eu veja o bem-estar do vosso povo, e exulte na alegria dos eleitos, e me glorie com os que são vossa herança. Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Gênesis 16,1-12.15-16 ou 6-12.15-16
Salmo: 105/106 
Evangelho: Mateus 7,21-29

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *