Ano Par › 24/01/2018

Quarta Feira – 3ª. Semana Tempo Comum

quartaAmados irmãos e irmãs
“Aqueles que recebem a semente em terra boa escutam a palavra, acolhem-na e dão fruto, trinta, sessenta e cem por um”.
Por que a Palavra de Deus produz frutos em uns e em outros não?
O terreno que aqui se fala não é o ambiente em que se encontra o destinatário da Palavra, ou seja, se está no clube, na igreja, em casa etc. Se assim pensarmos seremos tentados a achar que aqueles que estão dentro da Igreja são terra boa e os de fora nada valem.
O que Jesus quis mostrar é que o terreno é o nosso coração.
Como dizia um antigo cântico de aclamação ao Evangelho que era da Campanha da fraternidade da década de 1970: “A Palavra é a semente que Jesus jogou no chão. No chão da sua mente no chão do seu coração. Semente que caiu na pedra semente que não quis brotar. Há muito coração de pedra que não vida pra dar”.
Esta parábola tinha em vista levar os discípulos a serem realistas ; pois ingenuamente, eles imaginavam a Palavra sendo acolhida e vivida por todos, tendo a primazia na vida das pessoas, de modo que estas não cederiam às solicitações de mais ninguém. Em suma, os discípulos não contavam com a perda.
As coisas, na verdade, não se passavam assim, e a tentação de desanimar era forte. Jesus tentou fazê-los superar este horizonte equivocado e seguir adiante sem ter medo de perder.
O semeador deu-se por satisfeito e recompensado pela parte da semente que produzira frutos. Ele sabia que as sementes caídas à beira do caminho seriam comidas pelos passarinhos. As caídas em terreno pedregoso haveriam de secar logo, por faltar-lhes umidade. As lançadas em meio aos espinhos seriam sufocadas por eles. E mais: mesmo as que caíram em terra fértil, não frutificariam do mesmo modo. Mas, nem por isso ele se recusou a semear. Estava certo de que os frutos viriam com certeza, embora contando com perdas inevitáveis.
Nós que somos agentes de pastoral, ministros da Palavra devemos proclamá-la em todas as circunstâncias sem ficar escolhendo quem vai ouvir e muito menos por causa do resultado. Também não é por nossa eloquência que o fruto será abundante, mas pelo terreno que é o coração de quem ouve.
Quantas vezes as nossas atitudes dizem que tipo de solo é o nosso coração. Temos que admitir nosso coração por vezes é como terra seca, pedregosa, cheia de espinhos, a Palavra vem, mas não encontra acolhida em nós, e nem disposição para vivê-la.
Devemos ter em mente que no mundo atual os espinhos e pedras são muitos e entram em nossa vida de maneira disfarçada na onda do consumismo, do indiferentismo religioso, etc.
O solo impenetrável são os corações que estão endurecidos pela obstinação e o orgulho, por paixões mundanas, corações que tem compromisso com o mal e não podem suportar a dor da honestidade.
Por que a Palavra de Deus produz frutos em uns e não em outros? Deus faz distinção de pessoas? Deus não faz acepção de pessoas? Ninguém pode se sentir marginalizado por Jesus, pois Jesus não marginaliza ninguém. Ele chama os excluídos para uma convivência fraterna, os perdidos para o bem sem envergonhá-los.
O semeador lança a semente para todos os terrenos sem distinção. O cristão é aquele que faz o bem e semeia a bondade sem olhar para a pessoa para quem o bem é feito.
São Cesário de Arles monge e bispo nos Sermões ao povo, n°6 passim; SC 175 nos ensina: Irmãos bem amados, quando vos apresentamos uma coisa útil para a vossa alma, que ninguém tente desculpar-se dizendo: Não tenho tempo para ler, e é por isso que não posso conhecer os mandamentos de Deus nem observá-los. Evitemos as vãs tagarelices e as brincadeiras corrosivas, e veremos se não temos tempo para consagrar à leitura da Sagrada Escritura. Quando as noites são mais longas, haverá alguém capaz de tanto de dormir, que não possa ler ou ouvir ler as Escrituras? Pois a luz da alma e seu alimento eterno não é senão a Palavra de Deus, sem a qual o coração não pode nem viver nem ver. O cuidado da nossa alma é semelhante ao cultivo da terra. Assim como para cultivar a terra se arranca de um lado e se extirpa do outro até à raiz para semear o bom grão, o mesmo se deve fazer à nossa alma: arrancar o que é mau e plantar o que é bom; extirpar o que é prejudicial, transplantar o que é útil; desenraizar o orgulho e plantar a humildade; deitar fora a avareza e guardar a misericórdia; desprezar a imoralidade e amar a castidade. Efetivamente, vós sabeis como se cultiva a terra. Em primeiro lugar, arrancam-se as pragas e atiram-se as pedras para longe, depois lavra-se a própria terra, recomeça-se uma segunda vez, uma terceira, e finalmente semeia-se. Que seja assim na nossa alma: em primeiro lugar, arranquemos os maus pensamentos; seguidamente retiremos as pedras, isto é, a malícia e a dureza. Por último, lavremos o nosso coração com o arado do Evangelho e a relha da cruz e, quebrado pela penitência, amolecido pela esmola e pela caridade, preparemo-lo para a semente do Senhor, para que possa receber com alegria a semente da palavra divina e não dar apenas trinta, mas sessenta e cem vezes o seu fruto.
Na leitura do segundo livro de Samuel vemos que o profeta Natã transmite a Davi a mensagem do Senhor para que edifique uma Casa. Soa como que uma cobrança afinal um Deus que os acompanhou em tudo e os livrou tantas vezes das mãos inimigas estava ao relento. Esta página da bíblia é muito significativa para nós da CMDM, pois é nela que tivemos a confirmação do que Deus nos pedia. “O Senhor quer uma casa…”; logo pensamos em construir uma igreja, mas pelo capitulo 25 de Mateus Ele nos mostrou que queria sim uma casa para Jesus na pessoa dos moradores de rua.
Rezemos com o Salmista: Eu firmei uma aliança com meu servo, meu eleito, e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor. Guardarei eternamente para ele a minha graça e com ele firmarei minha aliança indissolúvel. Pelos séculos sem fim conservarei sua descendência, e o seu trono, tanto tempo quanto os céus, há de durar. Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: 2 Samuel 7,4-17
Salmo: 88/89
Evangelho: Marcos 4,1-20

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *