Ano Par › 24/10/2018

Quarta Feira – 29ª. Semana Comum

Amados irmãos e irmãs 

“Estai, pois, preparados, porque, à hora em que não pensais, virá o Filho do Homem”.
Vigiar significa pôr em prática as palavras de Jesus, o mandamento do amor, enfrentar a tentação do egoísmo, acreditar que vale a pena lutar para construir o Reino de Deus, estar sempre disposto a perdoar e a se reconciliar,
Os responsáveis pela comunidade têm o encargo especial de velar pelos outros, sobre o rebanho de Deus, cuidar de cada ovelha do com carinho e responsabilidade.
A todos é confiado um tipo de serviço no tempo dessa espera.
A expectativa da vinda do Senhor que é inesperada, desconhecida e repentina deve criar forte consciência da responsabilidade nas tarefas que nos foram encomendadas. Qualquer encargo que se tem, na vida da Igreja, não o é por mérito; aquilo que fazemos, ou pelo qual somos responsáveis, não é nosso e não nos pertence.
A advertência é de que, seremos cobrados diante de Deus, se as pessoas que ele nos confiou perecerem, por falta de cuidados e atenção. Pode até ser que elas se salvem, e a gente se perca, porque o Senhor confiou em nós, e não correspondemos a sua confiança.
A beata Teresa de Calcutá, fundadora das Irmãs Missionárias da Caridade nos ensina que feliz o servo a quem o Senhor, quando vier, encontrar procedendo assim. Assim como? Vejamos o que ela diz:
Senhor muito amado, faz com que possa ver-te, hoje e em cada dia, na pessoa dos teus doentes e, ao cuidar deles, servir-te. Se te esconderes sob o rosto desagradável dos coléricos, dos descontentes, dos arrogantes, faz com que, ainda assim, te reconheça e diga: «Jesus, tu és o meu paciente, como é doce servir-te». Senhor, dá-me essa fé que vê claro e nunca mais a minha tarefa será monótona, e a alegria jorrará sempre quando me prestar aos caprichos e corresponder aos desejos dos teus pobres sofredores.
Meu Deus, uma vez que tu és, Jesus, o meu paciente, digna-te ser também para mim um Jesus de paciência, indulgente com as minhas faltas e tendo em conta a intenção, pois esta é amar-te e servir-te na pessoa de cada um dos teus doentes. Senhor aumenta a minha fé (Lc 17,5), abençoa os meus esforços e a minha tarefa, agora e sempre.
Na leitura da carta de são Paulo aos efésios o apóstolo nos fala da grande graça que é ser um escolhido de Deus, ser separado, apartado e a quem é dado conhecer o mistério e que mistério é este? É o mistério de que Deus realiza tudo em todos, até no menor dos menores e naquele para quem o mundo não dá valor algum. Todos para os quais se anunciarem serão admitidos à mesma herança, membros do mesmo Corpo e participantes da mesma promessa. Esta é a consciência da largueza e da profundidade do chamamento que Cristo fez a Paulo e continua a fazer a cada um de nós dois mil anos depois para que mesmo sob os olhares espantados do mundo possamos dar testemunho d’Ele.
Rezemos com o Salmista: E direis naquele dia: “Dai louvores ao Senhor, invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, entre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime. Louvai cantando ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! Exultai cantando alegres habitantes de Sião, porque é grande em vosso meio o Deus Santo de Israel! ”. Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Efésios 3, 2-12
Salmo: Is 12
Evangelho: Lucas 12,39-48

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *