Sem categoria › 09/06/2016

Papa: a compaixão é, de alguma forma, a alma da medicina

papa-compaixao-e-de-alguma-forma-alma-da-medicinaO Papa Francisco recebeu em audiência nesta quinta-feira, 9, cerca de 150 diretores das Ordens dos Médicos da Espanha e da América Latina. Para Francisco, uma oportunidade de manifestar reconhecimento e gratidão a todos os profissionais da saúde que, no auxílio aos doentes, podem se tornar uma verdadeira personificação da misericórdia.

“A identidade e o compromisso do médico não se apoia somente em sua ciência e competência técnica, mas principalmente em sua atitude compassiva e misericordiosa aos que sofrem no corpo e no espírito. A compaixão é, de alguma forma, a alma da Medicina. A compaixão não é lástima, é padecer-com”, disse ainda Francisco.

Mas a compaixão nem sempre é bem vista na atual cultura tecnológica e individualista, ressaltou o Santo Padre. Ele chamou a atenção para a existência de pessoas que se escondem atrás de uma suposta compaixão para justificar e aprovar a morte de um doente. “Não, a verdadeira compaixão não marginaliza ninguém, não o humilha e nem o exclui, nem muito menos considera como algo bom o seu desaparecimento (…) Eu gosto de abençoar as mãos dos médicos como sinal de reconhecimento a esta compaixão que se torna carícia de saúde”, frisou o Papa.

Francisco observou que a tradição médica cristã sempre se inspirou na parábola do Bom Samaritano. É uma forma de se identificar com o amor do Filho de Deus que passou fazendo o bem e curando todos os oprimidos. “Quanto bem faz à Medicina pensar e sentir que a pessoa doente é nosso próximo, que é de nossa carne e sangue, e que em seu corpo dilacerado se reflete o mistério da carne do próprio Cristo!”

O Papa aconselhou o grupo de médicos a entender bem a recomendação de São Camilo de Lellis ao tratar os doentes: “Ponham mais coração nas mãos”. “A fragilidade, a dor e a enfermidade são uma provação dura para todos, inclusive para os médicos, são um chamado à paciência e ao padecer-com. Por isso, não se pode ceder à tentação funcionalista de aplicar soluções rápidas e drásticas, movidos por uma falsa compaixão ou por meros critérios de eficiência e redução de custos. Está em jogo a dignidade da vida humana. Está em jogo a dignidade da vocação médica”, sublinhou o pontífice.

Francisco agradeceu a todos os presentes pelos esforços que realizam para tornar dignos todos os dias de sua profissão e por acompanharem, cuidarem e valorizarem o dom que as pessoas doentes significam.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *