Ano C, Ano Ímpar › 13/01/2019

BATISMO DO SENHOR

Com a festa do Batismo do Senhor encerramos o Tempo do Natal e abrimos o Tempo Comum que será suspenso na Quaresma e Páscoa, e reiniciado depois da festa de Pentecostes.
É para você que Deus diz hoje: “Eis meu filho, minha filha em quem deposito minha confiança”. Sabemos que pode parecer muita responsabilidade, mas pelo nosso batismo assumimos o compromisso de ser outro Cristo (Cristão) na vida dos irmãos.
Na profecia de Isaías vemos que Deus nos garante que Jesus é o Servo, o eleito que anuncia a verdadeira religião e que é a aliança com os povos, a luz das nações. Será que podemos dizer que como eleitos do Senhor estamos anunciando a verdadeira religião, será que estamos sendo luz?
O Batismo de Jesus marca o início de sua vida pública, de sua missão redentora no mundo. Também o nosso batismo marca nossa entrada na comunidade cristã e o início de nossa colaboração com Cristo. O Batismo, como sabemos, é o primeiro dos sacramentos, isto é, condição para se receber os outros.
Para os judeus, o batismo era um rito penitencial; por isso, aproximavam-se dele confessando seus pecados. Entretanto, o que Jesus recebe não é só um batismo de penitência; mas a manifestação do Pai e do Espírito Santo dá-lhe um significado preciso: Jesus é proclamado “filho bem-amado” e sobre ele desce o Espírito que o investe da missão de profeta. É em Jesus de Nazaré que todas as promessas serão cumpridas
Jesus conforme vimos é o predileto e amado do Pai e ao chamar a Jesus de Filho amado, Deus esta dizendo a todo homem. O Pai se dirige ao Filho, e o Espírito Santo desce sobre ele, em forma de pomba. É a presença da Trindade no Batismo e por isto devemos ser batizados em nome do Pai e do filho de do Espírito Santo.
O útero de nossa mãe biológica nos faz nascer para o mundo, para as coisas terrenas; para uma vida limitada. O Útero da Igreja que é a Pia Batismal nos faz nascer para o céu para as coisas de Deus, para a eternidade. No Batismo nos tornamos filhos, mas adotivos, pois Jesus é o primogênito e unigênito.
Como batizados somos chamados a anunciar os céus abertos, pois o batismo nos coloca no grupo de Jesus a serviço da mesma missão. Com Jesus os céus se abriram, a esperança voltou, por isso não sejamos batizados com cara de “céu fechado”, reclamões e achando que o mundo está perdido. Se a missão é grande, maior é a esperança em Deus que nos chama de filhos amados.
Infelizmente muitos foram batizados, mas se esqueceram de quem são filhos. A voz do mundo pode desviar-nos da voz calma e suave que fala no centro do nosso ser: “Tu és o meu Filho (a) amado (a) ”; por este motivo é preciso ouvir sempre o que Deus nos diz: ”Eu te amo com o amor eterno” (Jr 31,3).

BATISMO DE CRIANÇAS
Sendo o Batismo uma opção adulta, tem sentido batizar as crianças? Assim como uma criança nasce numa família e é educada por seus pais, que lhe transmitem os valores da vida que eles mesmos vivem, assim também a criança que é batizada. Entra numa família, a Igreja, que a aceita com carinho. Ela pode viver e crescer dentro dessa família. Vai aprendendo os valores que essa família vive. Vai conhecer Cristo, sua vida e suas exigências. Aos poucos, vai crescendo a sua opção por ele. Vai assumindo sua responsabilidade na Igreja.
O batismo das crianças é tradição antiga na Igreja e generalizou-se no século V. Os teólogos já discutiram muito sobre a conveniência de batizar as crianças. Em princípio, e teoricamente, é possível porque o amor de Deus nos precede, nos acompanha e se nos oferece gratuitamente. Um amor que se atualiza e toma corpo na Igreja – “comunhão dos santos” – em cuja fé são batizadas as crianças.
Na leitura de Atos vemos o grande testemunho de Pedro ao confessar que nosso Deus não faz distinção de pessoas e em especial a trajetória de Jesus após o batismo da Galiléia a Judéia e todo o bem que fez.
Concluindo perguntaríamos:
Você sabe o dia do seu batismo?
Você sabe o nome do seu padrinho?
Aos que não sabem fica a missão como lição de casa de buscar estes dados e guarda-los no coração; em especial a data do batismo como sendo o aniversário, o nascimento para o Reino de Deus o dia em fomos banhados em Cristo e nos tornamos uma nova criatura.
Cantemos: Banhados em Cristo somos uma criatura…
Rezemos com o salmista: Eis a voz do Senhor sobre as águas, sua voz sobre as águas intensas! Eis a voz do Senhor com poder! Eis a voz do Senhor majestosa. Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Is 42,1-4.6-7 
Salmo:29 
2ª. Leitura: At 10,34-38 
Evangelho: Lc 3,15-16.21-22

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *