Ano C › 16/12/2018

3º. Domingo do Advento

Amados irmãos 
Alegria da espera! “Domingo Gaudete”.
“Eu vos batizo na água, mas eis que vem outro mais poderoso do que eu, a quem não sou digno de lhe desatar a correia das sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo”.
Preparar o caminho com alegria, com amor de forma a não só sermos perdoados, mas convertidos, transformados e renovados.
Lembramos-nos do discurso em que quando uma coisa é difícil a gente usa a expressão Messias ou salvador da pátria.
Jesus hoje nos mostra que Ele é o Messias de Deus, mas que não veio para fazer o que só você pode fazer. Jesus não vai agir no teu lugar.
Se antes a purificação dos pecados era feita através de ofertas e sacrifícios de animais a serem praticados pelos sacerdotes do Templo, hoje não deve ser assim, mas sim através do batismo que leva a conversão (metanóia) que é uma verdadeira mudança de vida.
Esta conversão no dizer de João passa por partilhar as túnicas e a comida, não cobrar a mais, de não maltratar a ninguém, não fazer falsas denúncias e não extorquir dinheiro.
Porque será que hoje alguns quererem mudar o sentido da conversão? Ela continua passando por estes itens que caracterizam a conversão pelo amor e pela prática da justiça, na solidariedade com os mais fracos e empobrecidos.
O profeta Sofonias em meio ao que devia ser motivo de tristeza alerta: O Senhor teu Deus está no meio de ti como herói Salvador! Hoje também nós poderíamos dizer que não temos motivo para a alegria, mas aquelas palavras são também para nós… Aliás, na santa missa respondemos: Ele está no meio de nós! Ao olhar esta resposta ficamos a pensar que apesar de ser uma afirmativa muitas de nossas ações contradizem a presença d’Ele no nosso meio.
Paulo exorta os Filipenses: “Alegrai-vos sempre no Senhor”. Repito: alegrai-vos! Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças.
Parece utopia pedir para não nos inquietar, mas não o é.
De nada adianta ficar sonhando com um reino de justiça e paz se nada fazemos para que ele aconteça.
Não devemos ser alienados desta vida e inertes esperar outra vida, mas sim devemos dar sentido a nossa existência e assim encontraremos forças e teremos esperança para através de nossas suplicas e orações fazer nosso clamor chegar aos céus.
Rezemos com o salmista: Oh meu Deus, meu salvador, eu confio e nada temo; o Senhor é minha força, meu louvor e salvação. Com alegria quero beber no manancial da salvação para poder dizer naquele dia: “Dai louvores ao Senhor. Invocai seu santo nome e anunciai suas maravilhas pelos séculos sem fim”. Amém

Reflexão feita Pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

1ª. Leitura: Sofonias 3,14-18
Salmo: Isaías 12
2ª. Leitura: Filipenses 4,4-7
Evangelho: Lucas 3,10-18

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *