Highslide for Wordpress Plugin
Ano Par › 06/01/2018

Sábado Antes da Epifania

Amados irmãos e irmãs26165395_1537142756370944_5886057255079805426_n
É para você que Deus diz hoje: “Eis meu filho, minha filha amada em quem ponho meu bem querer”. Sabemos que pode parecer muita responsabilidade, mas pelo nosso batismo assumimos o compromisso de ser outro Cristo (Cristão) na vida dos irmãos.
Cristo quis ser batizado não para ser purificado dos seus pecados, Ele, que era a pureza original. Se Cristo desceu ao Jordão foi para purificar as águas, para comunicar-lhes a sua própria pureza, de tal maneira que dali por adiante essas águas fossem capazes de purificar os homens mediante o Batismo. O calor do corpo vivo de Cristo posto em contato com as águas fez que estas fossem aptas para limpar não somente o exterior dos corpos-que é a sua virtualidade natural, mas também o mais recôndito das almas, o pecado. Ao penetrar, pois, Jesus no Jordão, as águas deste rio, e a de todos os rios, todas as águas do mundo, fizeram-se aptas para a ordem sacramental. Já não seriam somente “águas da terra”, serão também “ondas de Cristo”.
O Batismo de Jesus marca o início de sua vida pública, de sua missão redentora no mundo. Também o nosso batismo marca nossa entrada na comunidade cristã e o início de nossa colaboração com Cristo. O Batismo, como sabemos, é o primeiro dos sacramentos, isto é, condição para se receber os outros.
À margem do Rio Jordão, João Batista prega a conversão dos pecados como meio para se receber o reino de Deus que está próximo. Jesus entra na água, como todo o povo, para ser batizado. Para os judeus, o batismo era um rito penitencial; por isso, aproximavam-se dele confessando seus pecados. Entretanto, o que Jesus recebe não é só um batismo de penitência; a manifestação, do Pai e do Espírito Santo dá-lhe um significado preciso. Jesus é proclamado “filho bem-amado” e sobre ele desce o Espírito que o investe da missão de profeta (anúncio da mensagem da salvação), sacerdote (o único sacrifício agradável ao Pai) e rei (messias esperado como salvador). Jesus é ao mesmo tempo vítima a ser imolada, sacerdote que oferece a vítima imolada e Altar de imolação.
Do céu, o Pai se dirige ao Filho, e o Espírito Santo desce sobre ele, em forma de pomba. É a presença da Trindade no Batismo e por isto devemos ser batizados em nome do Pai e do filho de do Espírito Santo.
O útero de nossa mãe biológica nos faz nascer para o mundo, para as coisas terrenas; para uma vida limitada.
O Útero da Igreja que é a Pia Batismal nos faz nascer para o céu para as coisas de Deus, para a eternidade.
No Batismo nos tornamos filhos, mas adotivos, pois Jesus é o primogênito e unigênito. No batismo nos tornamos eleitos do Senhor.
Será que podemos dizer que como eleitos do Senhor estamos anunciando a verdadeira religião, será que estamos sendo luz?
Como batizados somos chamados a anunciar os céus abertos, pois o batismo nos coloca no grupo de Jesus a serviço da mesma missão. Com Jesus os céus se abriram, a esperança voltou, por isso não sejamos batizados com cara de “céu fechado”, reclamões e achando que o mundo está perdido. Se a missão é grande, maior é a esperança em Deus que mantém os céus abertos e nos chama de filhos amados.
Infelizmente muitos foram batizados, mas se esqueceram de quem são filhos. A voz do mundo pode desviar-nos da voz calma e suave que fala no centro do nosso ser: “Tu és o meu Filho (a) amado (a) ”; por este motivo é preciso ouvir sempre o que Deus nos diz: “ Eu te amo com o amor eterno” (Jr 31,3).
Na primeira carta de são João o apóstolo fala que o Espírito, a água e o sangue; dão testemunho e os três são unânimes. Se cremos em testemunhos de homens como não acreditar no testemunho daquele que é a verdade. Se pelo batismo nos tornamos filhos da Luz devemos com nossa vida ser sempre luz que afasta a escuridão e trevas do pecado.
Rezemos com o salmista: Glorifica o Senhor, Jerusalém! O Sião, canta louvores ao teu Deus! Pois reforçou com segurança as tuas portas, e os teus filhos em teu seio abençoou. Amém.

Reflexão feita pelo Diácono Irmão Francisco 
Fundador da Comunidade Missionária Divina Misericórdia

Leitura: 1 João 5,5-13
Salmo: 147
Evangelho: Mc 1,7-11

Imprimir

Deixe uma resposta